Coleção NCPC 14 - Produção de Provas nos Tribunais

Recomende a um amigo Adicionar aos meus livros
Em papel:
Artigo disponível, envio imediato.
R$ 110,00
Livro eletrônico*:
Disponível na versão pdf drm Nuvem de leitura disponível
R$ 70,00
Para visualizar os livros eletrônicos, você deve ter instalado Adobe Digital Edition no seu computador. Para saber mais, pressione aqui


Um dos pilares relacionado com a ausência de isonomia e de segurança jurídica das decisões judiciais é a ausência de padrão. Não é difícil encontrar casos similares com soluções processuais divergentes; uma rápida busca na jurisprudência confirma esta hipótese. É deste ponto que nasce esta obra. O livro é fundamentado em algumas reflexões vinculadas à ausência de padrão na conversão do julgamento em diligência e do estudo do §3º do artigo 938 do CPC/2015, que permite, aliado a outros artigos, a produção de prova nos tribunais. Durante a obra o leitor irá perceber que foram estabelecidos objetivos para buscar um padrão na condução da produção de prova pelos Tribunais, com análise de parâmetros, alcance e hipóteses de incidência. Para isso, a obra foi dividida em três partes, com o objetivo final de responder se é possível estabelecer um padrão regimental para os Tribunais aplicarem a conversão do julgamento em diligência para determinar a produção de prova em segundo grau de jurisdição. A primeira parte sobrevoa o processo civil pós CPC/2015, aplicando os fundamentos da interpretação conforme as normas da CRFB/1988. A segunda, trata apenas do direito de prova. Por fim, a obra termina com uma reflexão e um estudo de caso das decisões proferidas pelo Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina. Neste ponto o leitor constatará que não há um padrão na produção de prova, pois na análise jurisprudencial percebeu-se, por exemplo, concessões de prazos diversos para a produção da mesma prova. Ao final, após enfrentar estes pontos e analisar o regimento interno dos Tribunais, percebeu-se que é possível estabelecer um padrão na produção de prova, propondo a criação de mecanismos instituídos de acordo com a realidade de cada Tribunal, indicando, especificamente ao final do trabalho, uma alteração de redação para o inciso I do artigo 132 do Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina.

Digite um comentário
Livros escritos por
Se os resultados não forem carregados automaticamente, pressione aqui para carregar
Se os resultados não forem carregados automaticamente, pressione aqui para carregar
Se os resultados não forem carregados automaticamente, pressione aqui para carregar