O Mundo do Trabalho e a 4ª Revolução Industrial

Recomende a um amigo Adicionar aos meus livros
Livro eletrônico*:
Disponível na versão pdf drm Nuvem de leitura disponível
R$ 50,00
Para visualizar os livros eletrônicos, você deve ter instalado Adobe Digital Edition no seu computador. Para saber mais, pressione aqui
Esgotado


Este livro tem em seu título o vocábulo trabalho. Ah, esse termo tão comum, corriqueiro, cotidiano, debatido, confundido, difundido, guerreado; alegria de uns, tristeza de outros.

No sistema capitalista, o trabalho pode significar a dignidade da pessoa que tem apenas a si para oferecer enquanto força produtiva, a fim de angariar algum valor em contraprestação.

Normalmente, o trabalho é imediatamente vinculado ao seu aspecto econômico, tratado como instrumento mediador do atendimento de necessidades básicas e de geração de renda ou riqueza. Mas também possui seu viés filosófico, enquanto formador e conformador de consciências, realidades e relações.

O conceito de trabalho em Hegel, a propósito, se dá a partir do problema específico do sistema de carecimentos. Ele exercita função precípua para a solução de problemas de ordem econômica; mas, para além disso, não recusa uma dimensão formadora que transcende o âmbito das relações de produção (HEGEL, 2010). O trabalho surge na vida de uma pessoa muito cedo. Pra ela nascer, a mãe deve entrar em trabalho de parto. A mãe depois costuma reclamar: essa criança dá muito trabalho. Desde a infância, a criança tem tarefas escolares a realizar, como deveres de casa, maquetes, pesquisas, registros fotográficos. Este mesmo trabalho que desafia reclamações por parte dos pequenos, traz em si o condão de permitir às crianças que tomem conhecimento do mundo, aprendam a ler, a escrever, a compreender, a criticar e a se desenvolverem. E, ainda, trabalho pode expressar um ritual religioso, que na umbanda, no candomblé e na kimbanda busca atingir objetivos no amor, na saúde e nas finanças.

São inúmeros seus sentidos, mas em qualquer deles percebe-se que o trabalho aparece como importante instrumento de mediação entre a pessoa e a natureza e as pessoas entre si. Trata-se do que Hegel (1974) descreveu como a articulação do em-si (o subjetivo), do para-outro (o objetivo) e do em-e-para-si (o reconhecimento do subjetivo no objetivo).

Digite um comentário
Livros escritos por
Se os resultados não forem carregados automaticamente, pressione aqui para carregar
Se os resultados não forem carregados automaticamente, pressione aqui para carregar