A teoria do Direito conforme a Lei das Raças: Diretrizes para uma filosofia jurídica do nacional-socialismo

Recomende a um amigo Adicionar aos meus livros
Em papel:
Artigo disponível, envio imediato.
R$ 130,00 R$ 110,50 (Desconto -15.0%)
Livro eletrônico*:
Disponível na versão pdf drm Nuvem de leitura disponível
R$ 80,00
Para visualizar os livros eletrônicos, você deve ter instalado Adobe Digital Edition no seu computador. Para saber mais, pressione aqui


Tudo atinge o cidadão alemão dessa época, enfraquecido, empobrecido, confundido e atordoado. A ideia imperial derrotada; jovens mortos aos milhões; Alemanha humilhada internacionalmente. A inflação galopante já levou as poupanças de toda uma vida. Sensação de traição, necessidade de atribuir o mal a alguém, desemprego em massa e sensação generalizada de caos e declínio, denúncias de corrupção, ocupação estrangeira do próprio território... enfim. Se retirarmos deste texto de Helmut Nicolai (1895 ? 1955), cujas ideias influenciaram fortemente o pensamento jurídico nazista, os elementos obsoletos que agora estão fora de época e que mostram sua claríssima filiação ideológica, o que sobra é um conjunto sistemático de disparates morticidas com os quais é possível induzir os sentimentos e confundir a razão. Com os quais foi possível manipular um enorme número de pessoas e fazê-las indiferentes às mais brutais formas de racismo, eugenismo e antissemitismo do último século. Com os quais foi possível legitimar um trágico direito penal com papel nisso tudo. O que isso nos diz? Que pelas hecatombes políticas, pelos genocídios e pela aniquilação das minorias têm responsabilidade os ditadores - como Hitler - e as elites judiciárias domesticadas - como Freisler -, mas também, e sobretudo, os intelectuais - como Nicolai. O livro que apresentamos às comunidades política e jurídica do país é uma edição crítica de Die rassengesetzliche Rechtslehre (A teoria do direito conforme a lei das raças), um dos mais perigosos textos já publicados. Provavelmente se trata do ensaio jurídico mais estapafúrdio, absurdo e tragicamente grotesco escrito no século passado. Bom, você se pergunta: por que traduzir e publicar este disparate de elaborações preparatórias do crime mais atroz? A resposta é simples: porque ele é a máxima amostra do extremo a que pode levar o irracionalismo do romantismo jurídico. Em outras palavras: para que tudo isso nunca mais se repita.

Digite um comentário
Livros escritos por
Se os resultados não forem carregados automaticamente, pressione aqui para carregar
Se os resultados não forem carregados automaticamente, pressione aqui para carregar
Se os resultados não forem carregados automaticamente, pressione aqui para carregar
Se os resultados não forem carregados automaticamente, pressione aqui para carregar