Teoria constitucional, ditadura e fascismo no Brasil

Recomende a um amigo Adicionar aos meus livros
Em papel:
Artigo disponível, envio imediato.
R$ 80,00 R$ 64,00 (Desconto -20.0%)
Livro eletrônico*:
Disponível na versão pdf drm Nuvem de leitura disponível
R$ 60,00
Para visualizar os livros eletrônicos, você deve ter instalado Adobe Digital Edition no seu computador. Para saber mais, pressione aqui


"Segundo o autor, a teoria e o direito constitucional que se estudam nas faculdades de direito hoje ignoram solenemente a presença dirigente e a influência central do pensamento antiliberal de perfil fascista na tradição jurídica nacional.

O golpe de 2016 e a ascensão de Bolsonaro ao poder, em sua arguta percepção, não são pontos fora da curva da nossa trajetória política e institucional, como insistem os idealistas (os não materialistas) da disciplina de Teoria da Constituição. (...)

De fato, autores centrais no processo de organização do Estado modernizado e de instituições que garantem a prevalência dos interesses burgueses (em especial o poder judiciário), como é o caso de Francisco Campos e Oliveira Vianna, constituem o núcleo dos textos apresentados neste instigante livro, desde a decadência da Primeira República até a implosão da Constituição de 1988 pelo golpe de 2016 e a ascensão do fascismo bolsonarista de 2018 (...) Esse livro, como se constatará, propõe uma intervenção radical no lugar comum da "doutrina constitucional" usual ainda hoje.

O autor, professor de História Constitucional Brasileira e fundador do Mestrado em Direito Constitucional da UFF, realiza uma leitura sistemática de uma tradição que orienta as rupturas antidemocráticas, os golpes de Estado e as ditaduras (...)

Temos os nossos constitucionalistas de exceção, às vezes inspirados no próprio Schmitt, ou adiantando teses que serão apropriadas pelos europeus, como é o caso da distinção entre Estados Totalitários e Autoritários, desenvolvida pela primeira vez por Azevedo Amaral e depois utilizada pelo constitucionalista Karl Loewenstein e até por Hannah Arendt. Todos estes temas são tratados na obra, como núcleo ideativo do constitucionalismo brasileiro, em oposição às narrativas que nos vinculam idilicamente à reta inspiração liberal. Nela as entranhas mais grotescas do nosso passado são trazidas à tona, expondo as origens da miséria de nossa conjuntura atual."

Prefácio de Wilson Ramos Filho

Digite um comentário
Livros escritos por
Se os resultados não forem carregados automaticamente, pressione aqui para carregar